Due Diligence: sua empresa está preparada?

Início Blog Due Diligence: sua empresa está preparada?
Due Diligence: sua empresa está preparada?

Due Diligence, o que significa? Qual objetivo? Quem executa? Qual a importância? Due Diligence e Auditoria, é a mesma coisa?

O que é Due Diligence? O termo em inglês “Due Diligence” pode ser traduzido para o português como “diligência prévia” correspondente a análise e a avaliação detalhada de informações de uma empresa alvo de negociação (target), tendo como objetivo, identificar eventuais distorções relevantes, decorrentes das práticas empresariais, relacionadas aos seguintes principais aspectos:

Esse ecossistema da Due Diligence trará na base de avaliação a análise de continuidade e sustentabilidade dos negócios de uma empresa. Contudo, seu escopo poderá ser limitado a um único item, dependendo do interesse em comum entre as partes relacionadas.

Quem são os executores responsáveis por todo esse processo?

Considerando todas as dimensões que uma Due Diligence abrange, o processo normalmente é conduzido por profissionais de consultorias especializadas e dependendo do objetivo da operação, a equipe pode envolver especialistas de diversas áreas como advogados, auditores/contadores, economistas, administradores, entre outros.

Mas se um auditor é responsável pela Due Diligence, então qual é a diferença entre Due Diligence e Auditoria?

Quem não está habituado a lidar diretamente com processos de aquisição, fusão, cisão e incorporação, costumam confundir Due Dligence com Auditoria convencional. Mas as duas investigações não possuem o mesmo objetivo e nem usam dos mesmos princípios técnicos para serem realizadas, embora compartilhem alguns dos procedimentos

A Auditoria clássica tem como objetivo compreender se a contabilidade da empresa (a divisão entre seus ativos e passivos no livro contábil, com as divisões de capital, distribuição de lucros, pagamentos de funcionários e demais dividendos) foi feita de forma correta, de acordo com a legislação e com as demais normas.

A Due Diligence, por sua vez, tem como objetivo final fazer uma análise dos números da empresa e se esses números refletem a realidade econômica da mesma, compreendendo sua posição no mercado, seu valor real e seus potenciais riscos.

Dessa forma, a Due Diligence tem um foco completamente diferente da auditoria, uma vez que procura compreender se a as finanças da empresa refletem o seu verdadeiro potencial de mercado no presente.

Explicamos as diferenças entre auditoria convencional e Due Diligence, mas vamos nos aprofundar um pouco mais no papel do profissional contador/auditor nesse processo!

Nessa abrangência a Due Diligence engloba a análise das informações contábeis, financeiras, tributárias, trabalhistas e previdenciárias, visando a reconciliação das demonstrações financeiras internas/gerenciais com as demonstrações financeiras auditadas, se aplicável, podendo ser as Dfs oficiais da empresa não auditadas.

O objetivo, neste sentido, é o entendimento dos itens significantes ou não usuais, da reconciliação financeira, e a identificação de eventuais riscos e potenciais contingências passivas fiscais, trabalhistas e previdenciários, baseado nas informações dos últimos 5 anos.

E o resultado desse trabalho?

Considerando que o objetivo principal de uma Due Diligence é apresentar uma visão mais aproximada possível do valor justo ou no valor de liquidação do patrimônio da empresa, sugere-se que o relatório tome como base as Demonstrações Financeiras na data base definida (data de corte), ajustando-as pelos elementos que o profissional julgar necessários.

No relatório deverá ser apresentado as Demonstrações Financeiras, Originais, as Ajustadas (Original + os efeitos dos ajustes identificados), e a Pro Forma (Ajustadas + os elementos identificados não contabilizados).

As Demonstrações Financeiras Pro Forma, é peça fundamental, pois reflete ajustes que não são contabilizados de acordo com a Norma Contábil, um exemplo desse tipo de ajuste, são contingências passivas cuja probabilidade de perda, considerada pelos consultores jurídicos, é possível ou remota.

Por fim, a apresentação de uma opinião conclusiva por parte do profissional que executou os trabalhos é fundamental e devem estar destacadas, eventuais limitações que possam alterar a conclusão caso alguma contingência se materialize.

Mas afinal qual a importância da Due Diligence?

Existem inúmeros benefícios no processo de Due Diligence. Entretanto, o grande destaque fica com a avaliação do negócio, se é real e sólido, se há continuidade, se é sustentável, se existe governança. Além claro avaliar se a operação comercial atende aos critérios de investimento ou aquisição.

A Due Diligence também é importante para:

  • Ajudar a empresa a detectar atividades fraudulentas de fornecedores, funcionários ou clientes;
  • Avaliar nível de compliance contábil (adequação aos IFRSs e CPCs);
  • Avaliar o nível de compliance tributário, previdenciário e trabalhista ( cumprimento de todas as obrigações acessórias);
  • Levantamento de todas as contingências passivas, tributárias, previdenciárias, trabalhistas, incluindo, cíveis e ambientais, por probabilidade de perda/risco;
  • Expor fraquezas operacionais;
  • Avaliar riscos e oportunidades; e
  • Avaliar o grau de conformidade e familiarizar-se com o trabalho para garantir o compliance.

Vale ainda ressaltar que o empresário que pensa em vender, ou está à procura de investidores para o seu negócio, deve estar atento à situação em que a empresa se encontra e de que forma é possível melhorar, otimizar processos e sanar problemas, ou seja, diagnosticar situações de risco antes mesmo que elas se concretizem.

E como a BPO Innova pode ajudar no processo de Due Diligence?

Contamos com profissionais e parceiros especialistas em todas as áreas de atuação, além de utilizar ferramentais certificadas, inovadoras e seguras, que trouxeram muito mais agilidade no processo de investigação da Due Diligence, principalmente no levantamento das contingências passivas da empresa.

Para dead lines, normalmente apertados, ferramentas robotizadas se provaram extremamente, eficazes!

Por fim, incentivamos a empresários que, mesmo não considerando a curto prazo no business plan das empresas, operações de alienação, fusão, incorporação… que avaliem a realização de trabalho com mesmo escopo de uma Due Diligence, assim terão um retrato fidedigno do patrimônio da empresa.

A prevenção é a maior vantagem para empresa que passará por um processo de Due Diligence.

Escrito por: João Areosa